Um forno de micro-ondas pode fazer quase tudo. Mas como é que o micro-ondas realmente funciona? E o que o torna tão diferente de um forno convencional? O micro-ondas foi inventado, acidentalmente, pelo engenheiro americano Dr. Percy LeBaron Spencer. Ao testar um magnétron, um tubo de vácuo que gera micro-ondas, percebeu que a barra de chocolate em seu bolso havia derretido. Depois de ver o que acontece com outros alimentos (pipoca e ovos) que foram colocados na frente do magnétron, ele logo percebeu que aquelas micro-ondas poderiam cozinhar os alimentos rapidamente.

Um forno de micro-ondas tem três partes principais: um magnétron (localizado no lado do forno de micro-ondas) que produz as micro-ondas, um guia de ondas (localizado dentro da parede do forno de micro-ondas) que dirige as micro-ondas do magnétron para a comida e um compartimento (onde você coloca a sua comida ou bebida) para incluir tanto a comida como a radiação de micro-ondas. O micro-ondas, assim como as ondas de rádio, os raios X e a luz visível, é um tipo de onda eletromagnética. Mas ele tem uma propriedade única que o torna particularmente útil para cozinhar alimentos.

Todas as ondas eletromagnéticas operam em diferentes comprimentos de onda. No espectro eletromagnético, as micro-ondas localizam-se entre  as ondas de rádio e o infravermelho. Nessa frequência, algo interessante acontece. As moléculas de água, que são constituídas por um átomo de oxigênio e dois átomos de hidrogênio, são, por natureza, polares – o átomo de oxigênio rouba mais dos elétrons negativos do que os átomos de hidrogênio, fazendo o oxigênio ligeiramente mais negativo e os dois átomos de hidrogênio mais positivos. Os alimentos são cheio dessas moléculas de água levemente polares. Mesmo quando deixadas sozinhas, elas ainda permanecem.

Como uma micro-onda viaja, seus campos elétricos e magnéticos mudam rapidamente. Quando a onda se desloca próximo de uma molécula de água, a molécula vai tentar se alinhar com o campo elétrico. Uma vez que o campo está em constante mudança, a molécula de água balança para trás e para a frente, gerando energia na forma de calor. Quando a guia de ondas direciona as micro-ondas geradas a partir do magnétron, dentro do compartimento, todas as moléculas de água são excitadas ao mesmo tempo. Isso produz uma grande quantidade de calor e cozinha os alimentos.

A frequência é a chave para esse efeito. Se você passar ondas de rádio ou infravermelho através dos alimentos, as moléculas de água ainda permanecerão como se nada tivesse acontecido. Mas as micro-ondas estão na frequência certa para excitar as moléculas de água e gerar calor – algo que outras formas de ondas eletromagnéticas não podem fazer.

Em um forno tradicional ou fogão, o calor move-se lentamente de fora para dentro. Mas é pelo fato das micro-ondas viajarem em linha reta através da comida, excitando todas as moléculas de água de uma só vez, que um forno de micro-ondas cozinha os alimentos uniformemente.  Quando se aquece os alimentos em um recipiente de plástico ou vidro, as micro-ondas passam direto através desses recipientes com nenhuma interação, tornando-as micro-ondas seguras. Mas, quando se aquece alimentos em um recipiente de metal, o metal vai refletir as ondas, causando faíscas e, por vezes, incêndio. Portanto, nunca coloque metal em um forno desse tipo.

Por Claire Maldarelli

Artigo anterior18 universidades brasileiras estão entre as 1000 melhores do mundo
Próximo artigoSamsung pode lançar celular com tela que dobra ao meio, mostra patente
João Diogo é especialista em marketing e tecnologia, com formação sólida na Universidade de São Paulo e passagem por empresas como Duratex, Anima, FCamara e Viva Decora. Co-fundador da Domuz e criador de conteúdo.